inspiration2

O que Achei de: The New Normal (NBC)

Ryan Murphy quer por tudo se consagrar como o rei dos diferentes.


Ryan Murphy quer por tudo se consagrar como o rei dos diferentes.


Com Glee, titio Ryan fala dos estereótipos adolescentes, dando aos tipos excluídos dos braços da popularidade a chance de se destacarem pelos seus talentos. Bom, isso era para o mundo dos quase adultos. E para o mundo cruel dos adultos?

Para o mundo cruel dos adultos, Ryan foi ao lugar mais óbvio: casais gays que decidem procriar. Era óbvio que mais cedo ou mais tarde alguém colocaria o tema como trama principal de uma série. Existe, como no caso de Modern Family, séries que dão espaço para o assunto dentre seus demais plots, mas The New Normal comete a proeza de ser a primeira a apostar todas as suas fichas na homossexualidade procriativa.

Não deixa de ser interessante. Sem dúvida alguma, este tema – mesmo que considerado “normal” por muitos – ainda mexe com a cabeça de muita gente e causa reações negativas nos preconceituosos de plantão. Para se ter uma ideia, a filial da NBC de Utah se negou a transmitir a série pelo seu conteúdo imoral.

O problema é a ousada série conseguir fugir das caricaturas. O casal gay certamente será composto pelo homem macho e o homem fêmeo, e o preconceituoso-mor, que vai ser o maior obstáculo, certamente será algum velho da família. The New Normal seguiu à risca esta receita, dando vida a personagens desgastados e até marcando pontos na repetição de Modern Family.

O “diferencial” da série é que o fato do casal contratar uma barriga de aluguel não será um contrato usual, onde cada parte faz sua parte e no final a mulher sai com o dinheiro e os dois saem com o neném. Goldie (Georgia King), a que alugará a barriga, traz na bagagem uma mãe (Ellen Barkin) que faz questão de mostrar sua homofobia e racismo, e uma filha (Bebe Wood) “acidental” que teve aos quinze anos.

Pelo que o piloto mostra, eles não vão se desgrudar. Provavelmente, o final da gravidez não irá separá-los, sendo talvez um motivo para aproximar a nova estranha família ainda mais. Acontece que os motivos de Goldie para aceitar o trabalho ficaram meio esquisitos. Barriga de aluguel existe porque a contratada precisa de dinheiro. Mais do que isso não cola.

No começo ela até diz que é por causa dos trinta e cinco mil dólares que vão cair na sua conta, dinheiro que ela precisa para criar sua filha longe do terror de sua mãe. Mas depois, quando a mamãe chega no pedaço, ela revela que quer ajudar especificamente o casal gay, o que acaba soando muito mais como uma filha que quer desafiar e ter o prazer de contrariar sua mãe. Entendo que a série precisa disso para formar os “laços” familiares entre os estranhos, mas se o único motivo fosse o dinheiro a coisa seria mais verossímil.

O conflito inicial ficará por conta de superar o gigantesco preconceito da velha loira traumatizada com o fato de ter um avô gay. Frases de efeito como “Family is Family, love is love” e “You can be whatever you want be, no matter how many people tell you that you’re nothing” vão transbordar nesta trajetória, enquanto os novos normais tentam convencê-la a ver o novo mundo normal.  Porém, não dá para ficar cinco temporadas neste conflito. Em algum momento ela terá que superar de vez seu atraso mental. E aí a pergunta é: o que a série fará daí por diante?

Quanto às atuações, sempre há a questão de se os atores que fazem o casal gay estão confortáveis em seus papéis. Andre Rannells, que faz o afeminado Bryan Buckley, não está 100% adaptado, mas está no nível satisfatório. Já Justin Bartha, que faz David Murray, parece muito desconfortável e inseguro. Na cena do beijo deles, por exemplo, parece que ele deu um selinho rápido para fugir o mais rápido que pudesse dali. Para alguém que aceita fazer um papel desses numa série, este desconforto nem deveria passar pela cabeça. Como que ele vai fazer se a série durar muito tempo?

Uma coisa que foi desnecessária foi a cena inicial, onde Goldie flagra o namorado dormindo com outra. A intenção era que este fosse o empurrão final para ela “mudar de vida”, se livrando da mãe diabólica que tem. Mas só os discursos destruidores da progenitora já eram motivo suficiente para ela pegar o carro e dirigir sem parar até o Polo Sul. A cena e toda a existência do traíra poderiam ficar de fora sem fazer falta alguma. E a cena de Nana com uma arma também.

The New Normal tem poucas chances de fazer algo diferente. Modern Family pode não ser só sobre um casamento gay, mas já fez muito pelo tema e fez com excelência. Além disso, o discurso sobre as diferenças serem normais é bonitinho e comovente, contudo é velho e batido. A série pretende bater bastante nesta tecla, e nós telespectadores estamos cansados dela. Se quiser sobrevier, TNN terá que mostrar o lado humano ao invés do caricato, o que neste caso também não será novo, mas talvez seja um caminho onde há mais chances de fugir do óbvio.

Ryan Murphy criou a série e escreveu o piloto junto com Allison Adler (Chuck, Glee, No Ordinary Family), sendo que a direção do episódio ficou a cargo de Murphy. Os dois também são produtores juntamente com Dante Di Loreto (Glee) e Chip Vucelich (Whithout a Trace). The New Normal estreia oficialmente dia 11 de setembro, mas a NBC liberou o primeiro episódio duas semanas antes.

P.S.: Georgia king podia tentar menos ser meiga na pele de Goldie. Meiguice demais faz o personagem ficar forçado e enjoativo.


Para mais datas da Fall Season 2012, clique aqui.
Reações: 

Relacionados

The New Normal 6990426686751696161

Postar um comentário Comentários via BLOGGER (0) Comentários via DISQUS

Para inserir no comentário:

# Um vídeo: [video]link-do-video-do-youtube[/video]
# Uma imagem: [img]link-da-imagem[/img]
# Um emoticon: clique na carinha acima da caixa de comentários, copie o nome do emoticon e cole.

Comentários educados são sempre benvindos.

emo-but-icon

EeF na Rede


   

Comentários

Arquivo

Categorias

Séries

Tags

Agenda de Episódios

Recentes

Twitter

Facebook

item